POR UMA LISBOA MAIS VERDE PARA TODAS E TODOS – Apelo do workshop JUSTIÇA AMBIENTAL URBANA

Será possível planear cidades mais amigas do ambiente envolvendo as necessidades de todas as partes das populações urbanas? Como podem, tanto os processos de criação de espaços verdes, como o seu uso, ser verdadeiramente justos, inclusivos e colaborativos? E como deveria esse envolvimento funcionar na prática, no ano em que Lisboa é Capital Verde Europeia?

O apelo “POR UMA LISBOA MAIS VERDE PARA TODAS E TODOS” pretende alertar para a importância destas questões. O documento foi criado no seguimento do workshop “Justiça Ambiental Urbana – Como criar uma cidade mais verde para todas e todos?”, que teve lugar em junho deste ano em formato online e que contou com a participação de especialistas de Portugal, da Alemanha, França e Espanha e de várias iniciativas, associações e movimentos cívicos de Lisboa.

Mais do que apresentar conclusões, o apelo tem como objetivo alertar para a importância de um debate público sobre as dimensões sociais na agenda da Capital Verde Europeia 2020. Destaca-se especialmente a necessidade de um diálogo contínuo entre o poder local e as comunidades na criação de uma cidade mais justa e mais sustentável para todas e todos. Só tornando verdadeiramente participativos os processos de tomada de decisão, tornar-se-ia possível planear e criar espaços verdes que não sejam só bonitos, contribuindo para a eco-gentrificação dos bairros em questão, mas que realmente sirvam às comunidades à volta deles.

O documento pode ser consultado aqui: Apelo Por uma Lisboa mais verde para todas e todos

__________________________________________________________

O workshop sobre justiça ambiental urbana foi organizado pelo Goethe-Institut Portugal e pela Fundação Friedrich Ebert em Portugal no âmbito da iniciativa Retomar a Cidade, que se debruça sobre algumas das questões mais prementes do desenvolvimento urbano de Lisboa e do Porto. Com esta iniciativa, pretende-se mostrar diferentes estratégias de lidar com os desafios do desenvolvimento urbano e fomentar o intercâmbio entre atores locais e internacionais da política, administração e sociedade civil.